Quando alguém desencorajar o seu trabalho, lembre-se de Anita Malfatti

A jovem pintora Anita Malfatti estava em sua segunda exposição, em São Paulo, 1917, quando um artigo publicado no jornal O Estado de São Paulo, escrito por Monteiro Lobato, caiu como uma bomba.

No artigo “A Propósito da Exposição Malfatti”, o escritor arrasou com a exposição dela. Muitos quadros vendidos foram devolvidos.

Tímida, Anita retraiu-se mais ainda, abalando a confiança em si mesma.

Era a sua segunda exposição, o momento ideal para mostrar como estava amadurecida como artista, embora fosse bastante jovem.

Em sua defesa, partiram Oswald de Andrade e depois Mário de Andrade, escrevendo artigos nos jornais.

Porém nada mudava, até então, para Anita Malfatti. Era visível sua tristeza.

Após a exposição, voltou a estudar Pintura, pesquisando e produzindo mais trabalhos.

Ainda bastante traumatizada pelo que ocorreu em 1917, aceitou o convite de Mário de Andrade para participar da Semana de Arte Moderna em 1922.

Ela acreditou que aquele era o momento certo para superar. Tornou-se uma das artistas mais aclamadas da exposição. 

E nos Anos 40, ilustrou alguns livros de Monteiro Lobato.

Às vezes, quando alguém ou algo nos deixa abalado em nosso trabalho, precisamos de um tempo para nos concentrarmos naquilo em que somos bons, para depois encontrarmos o momento certo para superar e seguir em frente. Como Anita fez.

Tanto Anita Malfatti quanto os outros artistas da Semana de Arte Moderna aparecem na história em quadrinhos Estella Vic: 1922 e o Manifesto Futurista.

Em Estella Vic: 1922 e o Manifesto Futurista, a repórter Estella Vic começa investigar uma artista plástica que pretende explodir o Theatro Municipal no primeiro dia da apresentação da Semana de 22.

Você pode ler as primeiras páginas de graça aqui:

Compartilhe com seus amigos que amam uma boa história em quadrinhos com a cara da nossa cultura.

Gostou da nossa matéria? Clique AQUI para assinar a nossa newsletter e receber por e-mail nosso conteúdos.

Deixe um comentário