O que a Política Nacional de Leitura e Escrita tem a ver com a HQ brasileira?

 

Foi sancionada no último dia 13 de julho a Lei Castilho, ou melhor, a Lei 13.696/18 que institui a Política Nacional de Leitura e Escrita (PNLE).

Com a Lei 13.696/18, o que era antes uma política de governo, torna-se agora uma política de estado, ou seja, não depende mais de governos.

Para a cadeia produtiva do livro, foi uma grande vitória. E aí entra o quadrinho nacional que precisa se beneficiar dessa lei.

A PNLE vai atuar em quatro eixos:

  1. democratização do acesso;
  2. fomento à leitura e à formação de mediadores;
  3. valorização institucional da leitura e do seu valor simbólico;
  4. fomento à cadeia criativa e à cadeia produtiva do livro.

A partir desses quatro eixos, a cada dez anos o governo precisa estabelecer metas e ações para o trabalho com o livro, a leitura e as bibliotecas do país.

A produção de quadrinhos no país passa também por todos esses eixos, pois um dos problemas está na base, que é a formação de leitores de HQ.

É preciso que a HQ nacional esteja nas bibliotecas públicas, nas escolas; que tenhamos mediadores de leitura (agentes preparados para atuar em comunidades para o trabalho com leitura) utilizando livros em quadrinhos, em uma oficina de produção de HQ, por exemplo.

E na cadeia produtiva do livro, por exemplo, acesso ao crédito para estimular a produção, pois não é mais possível que continuemos com apenas alguns editais em todo o país, restritos ao seus estados, e ao crowdfunding (algo maravilhoso, sim, que desde o início mudou o cenário brasileiro de produção de HQ independente; mas a cada ano está cada vez mais raro, por exemplo, metas que alcancem valores acima de R$30.000,00).

É preciso que a comunidade de produtores de quadrinhos comece a participar das discussões sobre a cadeia produtiva do livro e do plano do PNLE.

Como poderíamos resolver essa questão: participar do PNLE, incentivando a leitura, o consumo e a produção da HQ nacional?

Siga nossas redes sociais e acompanhe nossos projetos de quadrinhos nacionais, todos feitos por meio do crowdfunding.

1 comentário

  1. Brandon de 15 de julho de 2018 em 15:27

    Uniao Brasileira dos Quadrinistas UBQ

Deixe um comentário