As 7 dicas essenciais para um crowdfunding de quadrinhos

 

Selecionamos as 7 dicas essenciais para realizar um crowdfunding de quadrinhos.

A gente acredita que compartilhando informações todo mundo aprende melhor, tornando o seu produto melhor em um mercado cada mais competitivo (o mercado editorial).

É claro que não podemos nos restringir somente a 7 dicas, sempre é bom procurar outras que estão por aí, sendo apresentadas em blogs, vídeos e sites.

Então vamos lá? A gente espera que possa ajudar, pois este é o nosso intuito.

E se quiser compartilhar, será um prazer.

Dica 1

Tenha uma boa rede social ativa. Lançar uma campanha  é muito cansativo.

Se antes, você já não estiver atuando nas redes sociais (comentando, produzindo conteúdo, compartilhando, participando de comunidades sobre quadrinhos etc.) vai ser bem mais difícil.

As pessoas precisam conhecer você e confiar em você.

E tudo começa a partir dos seus familiares e amigos. São eles que vão dar aquele empurrão necessário.

Dica 2

Não basta lançar a campanha. É preciso divulgar todos os dias!

É um exercício diário ao longos dos dois meses (ou mais, se utilizar o Flex do Catarse).

As pessoas vão esquecer se você não estiver ali todos os dias publicando um post sobre o seu projeto.

Dica 3

Entenda o “vale da morte”.

Passados 15 dias, em média, você começa a trilhar o “vale da morte”.

É o período em que as pessoas parecem que desapareceram da sua campanha. É um momento de angústia para que está realizando a campanha.

Mas acontece com todos, acredite. O gráfico de arrecadação é sempre um “u”. Inicia alto nos primeiros dias, depois cai profundamente e depois levanta absurdamente ao final, os últimos dias, da campanha.

Tem que manter a calma neste período e continuar publicando posts sobre o seu projeto.

Dica 4

Não tenha vergonha de pedir.

Esse é um dos principais problemas, principalmente para quem está na primeira vez.

Lembre-se que você é um artista e que as pessoas que contribuírem para a campanha irão receber um produto.

Portanto, seja apenas sincero e sem muitas delongas, apresente, de forma simples e objetiva, o seu projeto.

Se você não pedir, as pessoas não irão contribuir. Peça diretamente pelo menos umas 4 vezes ao longo da campanha para amigos e familiares. Principalmente no início e no final.

Dica 5

Publique em vários formatos. E abuse do bom humor, pois isso ajuda a compartilhar.

Faça vídeos, posts com imagens, Gif’s, enquetes… Veja o que está dando certo e faça mais.

Publique assuntos que tenham a ver com a proposta do seu projeto e busque estabelecer uma relação para que as pessoas possam compartilhar.

Dica 6

A melhor rede ainda é o Facebook. No Instagram você pode ter mais divulgação até, porém é no Facebook que você pode ter mais alcance, levando as pessoas para a página da sua campanha.

Não fique apenas no orgânico. É preciso pagar para que seus posts alcancem mais pessoas.

Se você possui mil pessoas te seguindo, menos de 10% estará, de fato, vendo as suas publicações. Por isso que é importante você pagar e anunciar, para que mais pessoas possam conhecer o seu projeto.

De forma orgânica, é preciso que as pessoas compartilhem os seus posts para que tenha mais alcance.

Pense nos posts que você gosta de compartilhar e procure fazer algo parecido com os posts sobre o seu projeto.

Dica 7

Você precisa levar mais pessoas para a página da campanha. Quanto mais pessoas visitarem a página da campanha, maior a sua chance de conversão (pessoas que visitam e contribuem).

Esse é o maior desafio, pois é lá que elas terão a chance de saber mais detalhes e escolherem o valor da contribuição.

A principal dica é planejar bastante, recolher o máximo de informações sobre como produzir uma boa campanha, seguir o seu planejamento e revisar sempre que não estiver alcançando o que você estabeleceu como meta.

Aqui temos dois livros em quadrinhos que foram frutos do crowdfunding. E em cada campanha há sempre uma história e estratégias diferentes. Cada campanha é única.

Machado de Assis: caçador de monstros é uma aventura com o jovem escritor ao lado de seus personagens literários, resolvendo uma série de mistérios pelas ruas do Rio Antigo no século XIX.

Clique na imagem para saber mais.

 

 

Em Estella Vic: 1922 e o Manifesto Futurista, a repórter Estella Vic investiga o caso de uma artista plástica que quer explodir o Teatro Municipal no primeiro dia da exposição da Semana de Arte Moderna.

Clique na imagem para saber mais.

Deixe um comentário