O mapa da estrutura de um roteiro para HQ

tilt

 

Uma estrutura para narrativa vem desde os tempos dos gregos, com base no trabalho de Aristóteles e ao longo dos anos foi sendo adaptado por outros autores.

Hoje há dois modelos bem conhecidos, mas que são utilizados principalmente no cinema: o trabalho de Syd Field e o de Joseph Campbell (veja POST aqui).

Podem ser adaptados para roteiros para HQ, sem nenhum problema, porque neles há uma forma para ser trabalhados elementos como tempo, dilemas, ação etc.

E é muito mais fácil começar a partir de uma estrutura do que partir sozinho, sem qualquer parâmetro, convenhamos.

Mas uma estrutura nunca pode engessar o seu texto, é um aliado e por isso vale muito a pena estudar mais e buscar reconhecer em narrativas de outras mídias ( cinema, televisão, romance, HQ) como funciona essa demarcação.

 

 

À venda em nosso site a HQ Estella Vic: 1922 e o Manifesto Futurista

 

 

Vejamos a sequência:

1 – Há uma introdução, um incidente que logo no início faz a trama engrenar (um dilema, uma necessidade que obriga o personagem mover-se);

2 – A primeira mudança na trama é um acúmulo de ações gerado pelo incidente inicial que não há escapatória: o clímax que joga a narrativa para um outro patamar/situação;

3 – Novamente uma sequência de ações que aos poucos resolve o dilema do início, encaminhando-se para uma resolução da narrativa.

Em princípio, é isso. Aristóteles divide sua estrutura em três atos:

Primeiro ato: o incidente inicial que move o personagem até a um ponto que tudo complica para ele. É a preparação para o grande confronto.

Segundo ato: do ponto em que tudo está bem complicado, atingimos o clímax, o ponto mais perturbador da narrativa quando parece estar mais difícil ainda para o nosso personagem. É grande confronto.

 

 

À venda em nosso site a HQ no estilo mangá

 

 

Terceiro ato: neste ponto onde tudo está pior até o final da narrativa quando a trama inicial começa a ser resolvida. É a resolução do grande confronto.

Procure analisar em suas histórias preferidas como essa estrutura está demarcada no texto e depois faça alguns exercícios, imaginando outras resoluções.

É bom começar com um modelo, pois facilita a construção do roteiro.

Você está planejando algum roteiro para HQ?

Tem alguma dica para compartilhar?

Somos uma produtora cultural com projetos também na área de quadrinhos.

Assine a nossa newsletter e nos acompanhe nas redes sociais.

Aguarde!

Deixe um comentário